sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Por motivos vários, e para mim muito dolorosos, desde Agosto passado deixei praticamente de pintar (deixei também de fazer muitas coisas que me davam prazer). Contudo, talvez movida por uma enorme necessidade de  buscar paz na infância distante, que sempre recordo como um espaço de felicidade infinita, passei a dedicar-me compulsivamente às minhas bonecas. Descobri que fotografá-las, criando atmosferas várias, podia servir de lenitivo para o meu estado de espírito. Claro que a muitas recorro como a uma espécie de avatares, eus que buscam a luz que emana das trevas, a fantasia, o sonho, mas que muitas vezes choram.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012